Friday, March 31, 2006

Millonnis de questionários ainda mais bonitoooooooossss!!!

Há para todos os gostos, mas só para conhecedoras.

http://www.funtrivia.com/quizzes/movies/movies_d-g/dirty_dancing_.html

Olhó quiz bonitooooooo!!!

Desta vez na mátria língua.

http://radiocomercial.clix.pt/destaques/quizz/sexo_cidade/index.asp

Monday, March 27, 2006

Um Fora de Semana

Costuma dizer-se que há dias assim, mas para mim pode-se dizer que raras vezes há fins de semana assim. E como hoje é o Dia Mundial do Teatro vou contá-lo em vários actos.


I Acto – O Drama - Da noite escura e seus filhos de brilhantes cores

O sol há muito que se tinha escondido na sua casota do poente, quando elas se encontraram. O humor não era o melhor, pelo menos o da narradora. Mas átomos de calma pairavam e sobre ela poisaram. Era uma aventura dizia-se. E com a ingenuidade dos românticos e a coragem dos destemidos elas foram.
O manto nocturno era ao mesmo tempo o cenário e o esconderijo perfeito. Seres de infinitas cores e apetites alongavam-se pelas ruas semi-desertas. Com o avançar da noite mais e mais apareciam e de repente os passeios eram as bancas perfeitas de um mercado de carne. Não éramos dali bem o sabíamos. A curiosidade e clandestinidade tornou-nos espectadoras furtivas dum espectáculo sem artistas ou palmas. Sim, vivemos em várias dimensões. Muito de vez em quando temos a possibilidade de espreitar uma delas. A missão cumpriu-se para todos os lados. Para quem quis entrar porque tocou de leve nessa vivência de latex e maquilhagem. Para nós que a protegíamos porque nada de perigoso se passou. E lá voltamos nós para nosso confortável cantinho.

II Acto – A comédia - E quando do chão te ergues e acabas com um dedo roxo

Era um Sábado cinzento. Daqueles em que a chuva espreita mas é demasiado tímida para cair. Elas levantaram-se cheias de energia e um pouco depois da hora combinada lá estavam. Uns amigos encontraram e todos juntos começaram a jogatana. Uns corriam mais do que os outros, outros viam mais bolas do que outros e outros ainda levavam com mais boladas que outros. Tudo ia bem até ao momento em que no calor da competição aqui a burra decidiu interceptar uma bola científica (o que conseguiu diga-se) e sentiu o dedo a dar duas voltas, comprar o jornal e voltar ao sitio.
E é assim que durante uma ou quizás duas semanas não haverá exercício físico. Agora é vê-la, a celulite a escalar sem dó as minhas nádegas. Além de parecer uma deficiente que não consegue cortar o bife e com um dedo mais roxo que os fatos da Priscilla, Rainha do Deserto.

III Acto – A tragédia – Dos vis, dos incautos, das obras intermináveis e do insustentável peso de ser consumidor

E próximo do fechar da cortina vem o pior assalto do mundo. Sim, duas pachangas caminhavam alegremente cantando e rindo, espalhando sua alegria verde por todo o Saldanha e porque não o Mundo, quando, ocultados pelos arbustos modernos, ou seja, tapumes, saltaram três anões, com objectos não identificados, mas com pretensão a cortantes,e lhes exigiram, em voz muito pouco intimidante diga-se, os telemóveis rápido. Elas inicialmente não acreditaram e olharam em volta à procura de Branca de Neve, que como isto está hoje em dia deve ser transsexual e trabalha no Casino Estoril, mas ela devia estar a meio do show e não apareceu e elas lá fizeram o que lhes tinha sido pedido. O anão-chefe ainda disse que devolvia o cartão a uma, mas entretanto a própria, qual cavaleira andante, que uma pachanga além de classe tem honra, foi avisar a família nuclear que se aproximava para dar meia volta. A outra pachanga, que é forte e cinturão negro em 47120347 artes marciais, ainda deu luta mas foi imobilizada pelos outros dois anões, que juntos já dá algo próximo de um homo-erectus mas com quatro mãos, braços e pernas. E foi assim que as duas foram deixadas incrédulas enquanto eles desapareciam para o seu país de anões fora-da-lei. Chegámos foi à conclusão de que a culpa disto tudo é do king-kard, que nos faz sair tantas vezes de casa, ver filmes realmente maus por vezes e ainda arriscarmo-nos a ser roubadas por meias lecas. Bolas, c’a breca!!!

Tuesday, March 21, 2006

O Musical

Chegou a Londres o
  • musical

  • do Dirty Dancing.
    Agora é que é vê-los a saltar e a dançar em maiôts (como é que isto se escreve?) e meias de renda num palco perto de si.
    Como não sei bem que sentimentos isto desperta nesta Pachanga, deixo-vos com uma letra para o resto do dia.
    Hungry Eyes
    I've been meaning to tell you
    I've got this feelin' that won't subside
    I look at you and I fantasize
    You're mine tonight
    Now I've got you in my sights
    With these hungry eyes
    One look at you and I can't disguise
    I've got hungry eyes
    I feel the magic between you and I
    I wanna hold you so hear me out
    I wanna show you what love's all about
    Darlin' tonight
    Now I've got you in my sights
    With these hungry eyes
    One look at you and I can't disguise
    I've got hungry eyes
    I feel the magic between you and I
    I've got hungry eyes
    Now I've got you in my sights
    With those hungry eyes
    Now did I take you by surprise
    I need you to see
    This love was meant to be
    [SOLO]

    Thursday, March 16, 2006

    Ser mulher e conduzir

    Amigos,
    Ser mulher no mundo do trânsito não é fácil!
    A pedido de várias pachangas e porque o globo precisa de saber o que se passa na rodovia Portuguesa, deixo aqui uma experiência aterradora...
    Num domingo de sol, penso em lavar o meu pequeno "coche" que se encontrava num estado lastimável tal, que até doía olhar para ele. Dirigi-me até à bomba local e a operação de lavagem e secagem decorreu con toda a normalidade.
    Dirigia-me para a saída, quando o carro começa a dar guinões, a não querer andar e a "morrer". Penso eu, vamos tentar continuar seguir o nosso caminho, porque isto não é nada... Erro!
    Estava eu no meio da via, parada num sinal vermelho, com um grande autocarro atrás, quando o meu querido meio de locomoção tem mais uma paragem. Tento freneticamente que volte à vida, quando o senhor da carris começa a buzinar violentamente...
    Isto leva-me a uma reflexão: será que quando vemos um carro parado, pensamos que buzinar o ajudará a andar, a mover-se mais depressa ou mesmo quiça acalmar o condutor!!?? Deixo-vos a questão.
    Bem, continuando, freneticamente tentava pôr o carro a trabalhar e o autocarro do inferno a buzinar, pessoas a olharem, os cães a uivarem, as meninas a saltarem...
    Penso eu (mais um erro!), estou numa descida portanto carro andará com um pequeno empurrão e sigo, corajosamente, para o meio de uma outra via... Não é que a cena não pega!!!!
    Pânico! Neste momento estou parada com carros de frente a quererem passar, e o tal "monstro" atrás, que, até este momento, não tinha parado de buzinar!
    Desesperada, saio do carro e viro-me para o muy digníssimo representante da Carris e digo-lhe:
    Achas que se estou parada é porque quero??!!
    Ao que a criatura me questiona: Já viu se tem gasolina?
    Não se pode ficar indiferente a esta provocação, que sinceramente acredito que não seria posta a um homem, sem a possibilidade real de levar um bom supapo entre os dentes.
    Devo dizer-vos que, neste momento, esqueci alguns dos ensinamentos mais nobre do Pachanguismo. Alguns impropérios saíram da minha boca e, devo afirmar, que gesticulei com se não houvesse amanhã.
    Não é uma situação bonita de relembrar...
    A história desenrola-se com uma catrefada de senhores a ajudarem a empurrar o carro, uma ida à oficina, gastar uns bons euros e blá.
    Deixo-vos este testemunho apenas para recordar, aos "motoristas da carris" que sim, nós, senhoras que conduzem, ainda sabem o que é gasolina, gasóleo, gás, hidrogénio e afins.

    Moda em Turim

    O que vos vou aqui descrever é dificilmente credivel, mas acreditem que é verdade!

    Desde que cheguei a Turim que me deparei com a realidade de que esta cidade, embora esteja pertissimo de Milao, a capital da moda, parou no tempo, pelo menos no que diz respeito a mochilas! Esse objecto usado em Portugal na maioria por crianças até aos 12 anos de idade com finalidade escolar e por jovens em ocasioes de viagens, aqui é um objecto imprescindivel em todo o tipo de pessoas!
    Até aqui tudo bem... afinal qual é o mal de usar mochilas? Nenhum... se nao fossem enormes, horreiveis e completamente fora de moda! Os exemplares que aqui vos mostro nem sao dos piores, o modelo é este, mas geralmente sao mais coloridas, sem nenhum padrao em particular, apenas uma mistura de cores berrantes que se veem a quilometros de distancia! Sei bem que gostos sao gostos e nao se discutem, mas ver pessoal a ir para a faculdade com estes maravilhosos exemplares (e nao sao poucos) e até homens e mulheres que parecem ir a caminho do trabalho também com a sua mochila é bastante gozavel!
    De marca Invicta a Seven, embora pareçam daquelas mochilas facilmente compradas nas lojas dos chineses, pude verificar que sao consideravelmente caras, entre os 50€ e os 60€... Ainda me pergunto como é que é possivel dar tanto dinheiro por uma mochila destas!!! No entanto, se estiverem interessados é so avisarem e fazerem a transferencia para a minha conta!

    Como nao adianta estar para aqui a escrever mais, pois com isto so mesmo ver para crer, deixo-vos com estas imagens!
    Sao imagens tiradas da net porque, infelizmente, a unica imagem real que até agora consegui tirar muito discretamente encontra-se no meu telemovel e como tal nao consigo passa-la para o PC.




















    Beijos
    Saudades...

    Pachanga na Assembleia (na senda dos saudosos livros de Anita)

    Pachanguitas deste mundo:
    Ó tempo que não escrevia porque iniciei (mais uma vez) uma nova fase na minha vida. A Fase Impalada, pode-se dizer.
    É uma fase bonita, que significa estar mais de 3 horas e meia por dia no trânsito, gastar as reservas de pitroil do Baraheim por semana e não ter (mais uma vez) vida social.
    Tudo pelo amor ao trabalho. VIVA.
    Esta semana tive um trabalhito na Assembleia, tinha de sacar umas palavrinhas a um ministro, que não vou revelar qual, mas posso dizer que tem bigode e percebe de batatas. Lá falei com os milhentos assessores que as pessoas importantes têm e acedi ao gabinete do senhor. Mal entrei, o meu telemóvel traiu-me… No preciso momento em que iniciei a converseta com o senhor, o aparelho desata a tocar, espalhando por aqueles metros quadrados cheios de classe a nossa música… Sexo e Cidade. O ministro olhou para mim, o assessor olhou para mim, até a secretária fixou os seus pequeninos olhos castanhos na minha pessoa. À secretária reconheci um sorriso, de certo quando percebeu de que música se tratava. Depois de ter carregado em todos os botões do telemóvel e ele não parar de tocar o tuturu, tu tutru nova iorquino, o sacana lá decidiu deixar de tocar, enquanto que a minha face era já o expoente máximo do rubor. Vida de pachanga, minhas amigas. Agora discriminadas pelo poder político, mas um dia, sim, um dia, senhoras do mundooooooooooooo……………. Aaaaaaaaahhhhhhhhhhahhahahahahahahahahahahahah (ECOS, MUITOS ECOS E RISOS QUE SE PROLOGAM ATÉ AO GENÉRICO DESTE POST)

    Próximos livros da colecção:
    Pachanga vomita em cima Marques Mendes
    Pachanga corre nua no congresso do PSD
    Pachanga consegue ir a Itália ver pequena pachanga

    As inseguranças do senhor do pirilampo

    Abro aqui uma pequena rúbrica dedicada às personalidades semi-anónimas que fazem do nosso país o que ele é. Para o bem e para o mal.

    Conheci no outro dia o senhor que escreveu a letra para a campanha do Pirilampo Mágico. Bem, primeiro pergunto se alguém se lembra da letra? Eu não, mas fui à procura.
    Cá está:

    “Faz a magia voar”

    Deixem passar o que há por contar:
    A voz da cigarra que nunca cantou;
    A luz do luar que nunca foi dia;
    O sol que se pôs, de manhã, devagar.

    Era uma Vez uma grande magia.
    Beijava de paz tantas dores sentidas;
    Brilhava, suave, asa de ave contente;
    Voava ao sabor das horas perdidas.

    (and soyon and soyon)

    Era cantada pela Mariza, a Teresa Salgueiro e a Maria João.

    Não me recordo da música, mas lembro-me perfeitamente de ficar agitadíssima quando era mais nova, na altura da saída do pirilampo anual. Gostava de ficar a imaginar qual seria a cor e andava a chatear os meus pais até ao dia em que lá vinha ele para a prateleira bem em frente aos meus olhos no quarto. Desde que sou senhora dos meus fundos não comprei a peluda criatura. Acho até que é feia como tudo. Mas pronto o seu objectivo não é estético e reconheço que foi provavelmente a melhor campanha solidária feita no nosso país.
    Volto ao senhor do pirilampo porque tal como o boneco é pequeno, peludo e com ar de extraterrestre. Juntando a isto um ego do tamanho do rabo do Jaba da Guerra das Estrelas perspectivam-se algumas dificuldades já que vou ter que trabalhar com a pessoa.

    Apesar de tudo o senhor diz que é o director dos directores dos directores dos directores de Marketing da Media Capital. Já escreveu 55 livros para crianças e tem uma data de projectos, onde se inclui uma coisa gira que envolve teatro com miúdos de rua. Com tanta e comprovada capacidade, para que é que ele precisa de fazer tanta publicidade a si próprio? É um dos mistérios da humanidade. Merda de inseguranças. E os mais baixinhos são os piores, veja-se o Hitler ou o Bush Junior. Bem ao menos com este o maior risco que corremos não são bombas mas coisas como:

    Voa magia, e vai na miragem do Amor
    Voa, magia, e volta das voltas sem dor
    Voa, magia, e veste os teus sonhos de cor
    Voa, magia, e vai na viagem do Amor.

    Monday, March 13, 2006

    Procura-se

    Despareceu recentemente dum jazigo em Bervelly Hills o corpo inerte de uma mulher de meia idade.
    Foi um domingo triste para os familiares de Barbra, a mulher cuja carcaça foi raptada na passada sexta-feira.
    Escondidos atrás de uns óculos de ski e chapéus a dizer GO LAKERS, os membros do clã Streisand percorreram a movimentada Rodeo Drive e colocaram cartazes com a fotografia da desaparecida, alguns dados pessoais e a roupa que envergava no momento.
    Isto era o que se podia ler no desesperado aviso:

    PERDEU-SE CADÁVER
    Mulher de 35 anos desapareceu da sua tumba.
    (sem maquilhagem parece ter entre os 87 e os 93)
    Vestia uma túnica Channel com estampado da letra de I am a Woman in Love.
    Na cabeça, um chapéu de inspirações étnicas Maia ou Mongol (não estamos certos de que parte da África provém, embora se lesse na etiqueta Made in Paquistan)
    Calçava botas de cowboy modelo exclusivo June Carter, com pele verdadeira de búfalo.
    Quem tiver informações por favor ligar para o 000000099999 - Barbra - 23773999
    ou enviar um mail para thecorpsebarbra@streisand.net.
    Falta dizer apenas que o dito anúncio estava impresso em papel cor de rosa a cheirar ao novo perfume da Brittney Spears.

    Friday, March 10, 2006

    Made in Australia



    Qual terá sido o ingrediente secreto usado pelas mamãs marsupiais no pequeno almoço destes meninos e meninas?
    É que já não bastava o óbvio, como ainda por cima são todos bons actores...
    Sendo sete dos oito da mesma geração, pode-se quase dizer que algo de estranho se passou pelo ADN australiano no final da década de 60.
    A sério, é um caso a investigar.

    Thursday, March 09, 2006

    O filme


    E quem outra senão Meryl Streep para protagonizá-lo?
    E a dar forte e feio na princezinha?

    O Diabo veste Prada

    Um grande livro...



    Acabei agora de le-lo e posso dizer que é mesmo muito bom e ate um pouco pachanga!
    Fala de uma recém licenciada em jornalismo que tem como primeiro emprego ser assistente da editora-chefe da maior revista de moda do mundo, sendo ela uma pessoa sem o minimo interesse e connhecimento sobre moda. Baseado na experiencia da propria escritora, que tranbalhou para a editora-chefe da revista Vogue, é um livro é hilariante!
    Desde a referencia às maiores marcas de roupa e acessorios do mundo (usadas sem duvida por pessoas com muita classe), ao Dirty Dancing (filme adorado pela personagem principal), a um vestido Chanel VERDE até palavras como condescendente e jocoso, que fazem parte desta narrativa, encontra-se de tudo um pouco! Aconcelho-vos sinceramente a lerem o livro; para os que gostam do tema é uma excelente forma de entrar ainda mais no mundo da moda, pois tem uma grande dose de realidade e para os menos apreciadores o livro em si é muito divertido e goza bastante com tudo o que envolve este mundo de marcas, modelos e ricos!
    O filme basedo neste best seller ja esta pronto a estrear nos grandes ecrans, mas como sabem ver o filme nao é a mesma coisa que ler o livro, por isso leiam o livro primeiro e vejam o filme depois!

    Beijos

    Wednesday, March 08, 2006

    Centralino - As fotos

    Depois de vos ter descrito esta bela discoteca voltei la no passado domingo para arranjar provas! E ca estao elas... duas maravilhosas fotos (ha mais, mas tambem nao dava para por aqui todas), uma do animador de serviço e outra do elenco do espectaculo! E' que desta vez cheguei a tempo de ver o espectaculo de abertura que nao desiludiu a audiencia! Mais uma vez ao som de Madonna mostraram o seu novo "show" (estreia ao publico naquela mesma noite)!

    Foi mais uma vez uma noite "muito à frente", mas agora acho que nao volto la tao cedo! Ja chega de gays, bichas, travestis, etc por uns tempos.





    Beijos e saudades

    Tuesday, March 07, 2006

    Tonicha Theron

    Amiguita pachanga, sei que não és a maior fã desta senhora, mas há que dizer que o Christian Dior que envergou ontem é simplesmente genial. Agora a frio, ainda me parece mais giro. Não vi o North Country, mas acho que uma mineira com este vestido ganha qualquer processo de assédio sexual.

    Image hosting by Photobucket

    Sim, confesso que adormeci, lá pelas 3 da manhã, aquando de um reconfortante chá de tília. E quando acordei, lá estava aquela senhora americana com dentes grandes, que faz os anúncios das cintas que transformam um trambolho num repolho. As categorias mais importantes, não as vi, mas não fez mal. Rádio, Tv, jornais, revistas, blogs e afins fizeram o favor de me informar hoje pla manhã. Antes das duas horas e meia que passei no trânsito até chegar ao meu local de trabalho...

    Porra, preciso mesmo de arranjar uma casa!

    Monday, March 06, 2006

    As menos III

    As menos II

    As menos I

    As mais III

    As mais II

    As mais I

    Uma noite com classe, mas muito pouco Pachanga

    Passou mais uma noitada de óscares e aqui a narradora de ocasião lá esteve de serviço, porque por muito que tente não consegue deixar de ver aquilo em directo. Loucura momentânea ou simplesmente estupidez... Ando a tentar responder a isso há anos. Mas continuando, segundo a minha modesta opinião, foi a melhor cerimónia de há uns anos para cá. Provocante q.b., sem perdas de ritmo e tão imprevisível como improvisada, tudo na pessoa de Jon Stewart claro, foi um espectáculo de colidade. Certamente não fará sombra ao ansiado concerto de Tony Carreira no Pavilhão Atlântico em Maio, mas não deixou de ser um nobre esforço.
    A coisa começou bem, até porque a generosa T.V.Uaiiii deleitou-nos com uma horinha inteira de preliminares no tapete vermelho. Deu claro para fazer a avaliação completa dos convidados. Lá estava com seu sorriso de menino asneirento o Sr. Clooney, o adorável imberbe Heath Ledger ou o “hug me I’m a teddy bear” Eric Bana, mas o que interessava mesmo a esta pachanga com insónia eram os vestidinhos de salários de uma vida das meninas. E eram aos metros, mas para grande desilusão, nem um, unzinho, era... verde. Quer dizer a Jenniffer Lopez andou lá perto, se é que se pode chamar verde aquele desperdício de bebé, ralo e escorregadio.
    Houve-os cremes e até amarelos, e bem giros, houve-os pretos e bem elegantes, houve-os azuis não tanto elegantes, houve-os castanhos rodados, giros em cima mas feios em baixo, houve uma tal de Meryl Streep a mostrar porque é a senhora com mais classe viva, mas nenhuma das convidadas teve o desprendimento de envergar algo, nem que fosse um mala, uma broche, uma bandolete, verde. Acho mal. A coisa andou tão fraca para o espírito pachanguento que o momento alto da noite foi sua Excelência Real Cadáver Dolly Parton e a sua performance em palco, sobretudo porque estivemos todos à espera do momento em que o seu real lábio superior iria saltar para dentro do seu real e quase quadrado par, acabando todos a dançar uma real dança em linha.
    Enfim quanto aos prémios, até me esqueço que é para isso que eles lá vão, foram mais pesados para casa o Sr. Clooney, para felicidade de toda a humanidade feminina e comunidade gay, uma muito grávida Rachel Weisz, a única estrangeira da noite a levar um prémio de interpretação, um engravatado Philip Seymour Hoffman que ao contrário do que prometera não ladrou e uma legalmente loira e demasiado faladora Reese Whiterspoon. Contas feitas e tirados os produtos, ganharam os favoritos, major stars e mais bem pagos dos lotes de nomeados. Mas pronto, até estiveram todos bem por isso...
    Quanto ao resto, e aqui na opinião de uma muito sonolenta e assaz rabujenta espectadora regular, parece-me que à Academia faltaram os tomates que tanto tinham sido proclamados no pré cerimónia. Entre um filme Palestiniano a ser preterido por um Sul-Africano, uma personagem transexual a perder para a menina bonita do country e da américa profunda e conservadora, a marcha dos pinguins a sobrepor-se à marcha do capitalismo sobre África e o tema racismo a ser usado como bode expiatório para fugir ao tema homossexualidade, ficam as piadas políticas de Stewart, a apresentação memorável de Meryl Streep e Lily Tomlin ao mais merecido vencedor da noite, Robert Altman e o título da canção original, It´s hard out here for a pimp, ou em português, Isto até para ser chulo está dificil.
    Num ano em que claramente se celebrou o cinema independente, com quatro grandes filmes nomeados a Academia cumpriu as quotas da democracia. Agora o que ser quer para o ano é muita coisa verde, uma música cantada por Bonnie Tyler, um número de dança com Patrick Swayze e scones assassinos atirados para quem se exceder nos discursos. E claro a apresentação a cargo do quarteto Nova Iorquino. E depois acordamos todas e temos que vir trabalhar porque é segunda de manhã. Raisparta, wdbhcwufgwu, umpf, fui.